top of page
  • Foto do escritorAmazoom

SOS Yanomami: Cronologia de uma tragédia anunciada

Não foi por falta de aviso! Levantamento realizado pela equipe do Amazoom demonstra que, pelo menos desde 2019, representantes do Povo Yanomami, organizações internacionais, parlamentares, entidades parceiras e órgãos da imprensa vem denunciando o abandono das populações tradicionais no extremo norte do Brasil.



2019


UNICEF - 28 de outubro de 2019.



UNICEF e parceiros apresentam dados sobre desnutrição de crianças ianomâmis e realizam seminário com lideranças indígenas, representantes do poder público e pesquisadores para discutir fatores que levam a esse cenário e alternativas para revertê-lo.



Chico Terra – 30 de outubro de 2019.



Em aldeias dos índios yanomami, oito em cada dez crianças menores de 5 anos padecem de desnutrição crônica, o que pode comprometer, de modo irreversível, o desenvolvimento mental, motor e cognitivo ou mesmo levá-las a óbito. Sabe-se, ainda, que 67,8% delas estão anêmicas.



2020



El País - 03 de março de 2020.



Líder Yanomani denuncia na ONU desmonte de políticas públicas do Governo Bolsonaro, invasão de seu território pelos garimpeiros e a situação crítica dos grupos isolados.



UOL – 02 de agosto de 2020.



Antes da pandemia do novo coronavírus, que registra 364 casos e quatro mortes na região, a degradação da condição de saúde dos yanomâmis e yekwanas já preocupava indígenas e especialistas. Assim como a covid-19, uma outra doença associada aos garimpos ilegais se alastra por toda a região e matou pelo menos cinco indígenas no ano passado.



Amazônia Real – 08 de setembro de 2020.



Indígenas denunciam que a disseminação das doenças é causada pelos garimpeiros. Justiça mandou o governo retirar os invasores do território em julho, mas decisão ficou no papel.



Survival - 03 de dezembro de 2020.



Uma petição com mais de 439.000 assinaturas pedindo ao governo para prevenir o genocídio dos povos Yanomami e Ye’kwana foi entregue ao Congresso na quinta-feira, 3 de dezembro.



2021



El País - 17 de maio de 2020.



Etnia enfrenta crises sanitária e ambiental com escalada de violência por garimpos ilegais. Povo denuncia novo ataque neste domingo. Imagem expõe o grave e crônico problema da assistência à saúde em várias aldeias.


Cenarium – 22 de maio de 2021.



Após pedir ajuda do governo federal e não conseguir, uma criança Yanomami de pouco mais de um ano morreu, nessa sexta-feira, 21, na comunidade Yarita, dentro da Terra Indígena Yanomami, em Roraima. O quadro de desnutrição era tão grave que o menino não conseguia lagrimar e nem chorar.



Cenarium – 06 de julho de 2021.



Após pedir ajuda do governo federal e não conseguir, uma criança Yanomami de pouco mais de um ano morreu, no dia 21 de maio, na comunidade Yarita, dentro da Terra Indígena Yanomami, em Roraima. Um pedido para retirá-lo da região e para que fosse socorrido na capital Boa Vista não foi atendido.



A Pública – 13 de setembro de 2021.



Com 0,013% da população brasileira, os Yanomami tiveram 7% de mortes por desnutrição infantil entre 2019 e 2020 – 24 crianças morreram.



Amazônia Real - 22 de setembro de 2021.



Mães Yanomami relataram vários dramas nas comunidades, onde a violência e as ameaças dos invasores não dão trégua. A imagem acima mostra o impacto nas águas provocado pelo garimpo ilegal na região do rio Uraricoera.



MPF - 16 de novembro de 2021.



Documento prevê ainda que o Ministério da Saúde faça auditoria nos gastos dos órgãos responsáveis pelo atendimento dos povos indígenas da região.



Ag. Senado - 24 de novembro de 2021.



A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) se reúne nesta quinta-feira (25), a partir das 9h, para debater sobre a situação dos índios ianomâmi. O debate foi requerido pelo presidente do colegiado, senador Humberto Costa (PT-PE), que destacou reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, exibida no dia 14 de novembro.



2022



CNS – 21 de março de 2022.



Invasão dos territórios pela mineração, avanço do garimpo ilegal, pistas de pouso clandestinas, contaminação por mercúrio e ameaças de garimpeiros estão cada vez mais frequentes dentro do território Yanomami, no norte do Brasil.



Cenarium - 20 de maio de 2022.



As invasões e explorações ilegais de minérios dentro de Terra Indígena Yanomami deixam marcas para além das ambientais. A água é um dos primeiros bens básicos a serem afetados, por conta de mercúrio usado no garimpo, o que também mexe com a alimentação dos povos e piora a qualidade de vida daqueles que ainda estão em desenvolvimento, as crianças.



Ag. Câmara – 14 de julho de 2022.



Área é marcada por garimpo ilegal, violência sexual de mulheres e crianças, ameaças de morte e desestruturação dos postos de saúde.



ANADEP – 22 de junho de 2022.



A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) instaurou Procedimento para Apuração de Dano Coletivo (Padac) a fim de investigar possíveis violações aos direitos fundamentais dos Yanomami nos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos.



Amazoom – 07 de dezembro de 2022.



As crianças do Kataroa, Região do Surucucu, Município de Alto Alegre, estão com desnutrição aguda e sofrem com outras doenças infecciosas, diz a denúncia.



IHU – 12 de dezembro de 2022.



Novas imagens de Yanomami em situação dramática repercutiram nesta sexta-feira (09). Elas revelam moradores da comunidade Kataroa acometidos por desnutrição aguda grave. Kataroa fica na região deSurucucu, no município de Alto Alegre, norte de Roraima.



Nexo – 16 de dezembro de 2022.



Associação indígena divulga imagens de crianças doentes, com costelas aparentes em Roraima. Invasão do garimpo e falta de assistência do poder público ajudam a explicar o cenário.



Survival – 21 de dezembro de 2021.



Um novo estudo elaborado pela Agência Pública revelou a extensão da crise de saúde no território Yanomami causada pela invasão intensa de garimpeiros ilegais. Crianças Yanomami estão morrendo de desnutrição 191 vezes mais do que a média nacional.



2023



Folha BV - 12 de janeiro de 2023.



As crianças pertencem às comunidades Kunamariú, Hokomaua e Yaritobi; elas foram levadas ao Polo Base Surucucu, referência em saúde na região.


Amazoom – 20 de janeiro de 2023.



Dados obtidos com exclusividade pelo portal SUMAÚMA mostram que, durante o governo de Jair Bolsonaro,o número de mortes de crianças com menos de 5 anos por causas evitáveis aumentou 29% no territórioYanomami.

849 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page