• Paola Carvalho

CFC: Amazon promove oficina sobre Arte Urbana, Grafite e Muralismo

Atualizado: 17 de nov.

Evento acontece entre os dias 21 a 23 de novembro. É o 6º Encontro do I Ciclo de Formação Complementar (CFC) do Amazoom, promovido em parceria com o Projeto Enraizado na Confiança da Internews.


Entre os dias 21 a 23 de novembro acontece a 6º Oficina do I Ciclo de Formação Complementar (CFC) do Amazoom / Internews. Nesse período será realizada a formação: “Quando as paredes comunicam?” O encontro vai tratar sobre arte urbana, grafite, muralismo e suas relações com a comunicação.


A realização é de iniciativa do Amazoom, em parceria com a equipe do projeto Enraizado na Confiança da Internews.



A atividade vai contar com a participação, como facilitadora, da artista plástica e professora do Curso de Artes Visuais da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Leila Adriana Baptaglin. As discussões serão realizadas de forma presencial, das 14h às 17h na Sala 160, localizada no Bloco I da UFRR. Todos os participantes receberão uma ajuda de custo de R$ 100,00.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas a partir do link disponibilizado aqui.

O intuito da oficina é discutir as diferenças entre as linguagens que são utilizadas na arte urbana, resgatar a relação entre o jornalismo e a arte-mural, a vinculação com os movimentos de luta social, provocar o questionamento sobre seus diferentes produtos - como o estêncil, lambe-lambe, grafite, muralismo e pichação - e, ao mesmo tempo, trazer uma interlocução da arte, da educação e da comunicação no espaço urbano da realidade vivida em Boa Vista, capital de Roraima.


“Desde os primórdios da humanidade a gente tem a necessidade do exercício da imagem enquanto processo de registro e comunicação. Durante muito tempo para comunicar algo para os não letrados, utilizaram-se imagens. E, a construção da arte no contexto urbano, proporciona uma vinculação comunicativa bastante forte dentro da nossa sociedade", explicou Leila.


"A ideia é trabalhar a imagem não como ilustração, mas enquanto ação comunicativa e educativa. É nesse sentido que a gente vai tentar construir algo que não seja só representativo de uma temática, mas que também comunique” - Leila Baptaglin.

Dentre as atividades propostas na oficina está a elaboração de uma pintura mural nas paredes da Sala onde fica a sede do Amazoom, no Bloco I da UFRR e articulação com o lambe-lambe - ambas linguagens de arte urbana que possuem forte ligação com o jornalismo e a comunicação. Vale reforçar que todo o material produzido a partir da oficina será pensado junto com os participantes, no momento da realização das atividades.


Segundo a professora a proposta é construir uma pintura mural e fazer sua articulação com lambe-lambe. "Nós vamos tentar fazer essa proposta de escolha de um tema. Buscar em jornais locais recortes que falem sobre esse tema e trabalhar uma imagem que represente esse tema. E, com isso, fazer o processo de colagem e pintura em uma das paredes do Amazoom", destacou Leila.


A artista acrescenta ainda a recomendação de que os participantes utilizem roupas que possam receber respingos de tinta. “Para a realização da oficina não é necessário levar nenhum material. A gente vai utilizar basicamente tintas, pincéis, jornais, recortes de jornais etc. Mas tem uma recomendação importante: os participantes venham com roupas que possam sujar, né?! Como a gente vai usar bastante material de pintura, então, todos venham com uma roupa usada e que possa sofrer "algumas intervenções artísticas", completou a professora.


Trabalho de muralismo desenvolvido no Bloco I da UFRR (Foto: Reprodução Redes Sociais/Coletivo Plac)


Perfil da Facilitadora


Leila Adriana Baptaglin é artista plástica, graduada em Desenho e Plástica; Especialista em Gestão Educacional; mestre em Patrimônio Cultural; mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Quem tiver interesse em conhecer mais sobre seu trabalho pode acessar o site: https://www.atelieamarello.com/.

Leila também faz parte do coletivo de arte urbana PLAC, formado através de um Programa de Extensão vinculado à UFRR e composto por artistas e acadêmicos.


Mais informações sobre o coletivo PLAC e seus trabalhos podem ser acessados no Instagram (https://www.instagram.com/coletivoplac) ou no Facebook (https://www.facebook.com/placrr).

81 visualizações0 comentário