top of page
  • Foto do escritorJacildo Bezerra

SOS Yanomami: FAB fez 1.903 atendimentos em hospital de campanha

Atualizado: 6 de abr. de 2023

A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou em 03/04 o relatório com o balanço dos 60 dias da operação Yanomami, em Roraima.


Por Luciano Nascimento- Agência Brasil.

Mais de 580 militares participaram de ações, em 40 comunidades que continuem o território ancestral Yanomami.


A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou relatório com o balanço dos 60 dias da operação Yanomami, em Roraima, que envolveu o emprego de aeronaves para apoiar as ações na região, como transporte de indígenas, distribuição de alimentos e assistência médica. Segundo o documento, divulgado nessa segunda-feira (3), até o momento 201 indígenas foram transportados, foram distribuídos 350 mil quilos de alimentos e houve 1.903 atendimentos no hospital de campanha montado na região Yanomami.

A operação entregou 20 mil cestas básicas em todo o território indígena, atendendo mais de 40 aldeias. Em relação aos atendimentos médicos, o relatório aponta para uma redução nas ações de saúde, culminando, na última semana, com uma média de dois atendimentos diários.

Reparo emergencial


Quanto às atividades de transporte, o relatório destaca o reparo emergencial da pista do aeródromo de Surucucu, de responsabilidade da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai). A reforma possibilitou, desde os primeiros dias de março, as operações de pousos e decolagens da aeronave C-105 Amazonas, com capacidade para até 64 passageiros ou cinco toneladas de carga, além do C-98 Caravan, outra aeronave empregada na missão.


O documento diz, ainda, que foram mais de 8 mil cargas (contabilizadas a partir de 7 de março) e 540 pessoas transportadas em veículos militares. Realizada pela FAB em conjunto com militares da Marinha e do Exército, a operação envolve mais de 580 militares das Forças Armadas no reforço às ações de enfrentamento de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e o combate ao garimpo ilegal no Território Yanomami, em Roraima.


Fonte: Agência Brasil.


1 visualização0 comentário
bottom of page