• Rede Amazoom

Jornalistas indígenas produzem informativos sobre a covid-19 e vacinação para combater Fake News

Foram produzidos 6 mil folders informativos que serão distribuídos em nove regiões de Roraima

Fonte: Caique Souza

Durante a pandemia do coronavírus, principalmente desde quando foi aprovada a primeira vacina contra a doença, muitas fake news foram espalhadas. Nas redes sociais foram onde essas notícias falsas sobre o imunizante mais viralizaram. Isso de alguma forma fez com que muitas pessoas não fossem se imunizar com a nova vacina.


Essas notícias falsas também atingiram os povos indígenas. Preocupados com tudo isso, jornalistas indígenas de Roraima, Ariene Susui e Nailson Almeida, ambos do povo Wapichana, trabalharam na criação de folders informativos sobre a vacina da Covid-19 levando informação aos parentes de todo o Estado como forma de combater a Fake News.


Ao todo, foram produzidos 6 mil folders informativos que serão distribuídos em nove regiões do estado Roraima. Além da língua portuguesa, os exemplares também foram traduzidos em outras cinco línguas indígenas, Wapichana, Macuxi, Wai-Wai, Yanomami e Taurepang.


A vacina contra a Covid-19 já é uma realidade no Brasil. Apesar de tão aguardada por muitos, houve muita resistência em outra grande parte. Em muitos casos, a falta de informações, abriu espaço para as notícias falsas espalhadas na internet, a respeito do imunizante. Desde que a ciência produziu a primeira vacina contra a Covid-19, especialistas se esforçam para derrubar todas as notícias falsas que circulam principalmente nas redes sociais.


Pensando nisso, conforme a jornalista que coordena o trabalho, Ariene Susui, o projeto nasceu com essa preocupação, pois, como jornalista indígena, ela sente que tem o dever de levar a informação clara e baseada principalmente nos fatos, fazendo o informativo em forma de diálogo, a partir de uma entrevista com uma médica indígena.


A nossa grande preocupação desde o início da pandemia foi com as notícias que chegavam dentro das nossas comunidades. Tanto sobre a Covid-19, quanto sobre a vacinação. Vendo que uma grande parte das comunidades no começo ficaram com receio de tomarem a vacina e foram prejudicadas por conta das fake news. Infelizmente isso foi um grande embargo dentro das comunidades, para que muitas lideranças, idosos, jovens não quisessem tomar a vacina.

Fonte: Nailson Almeida

Ainda conforme Ariene, todo o material foi confeccionado especialmente para que as comunidades, as lideranças pudessem entender melhor sobre a covid-19, sobre a vacinação e também o cuidado com as notícias falsas.


Nossa grande preocupação é levar as informações coerentes que realmente ajudem as comunidades a entender o que está acontecendo. Ver realmente a realidade que estamos passando. Por isso a gente trabalhou nesses folders em seis línguas diferentes. Tivemos essa preocupação também em levar nas línguas indígenas e tendo essa parceria com o Conselho Indígena de Roraima (CIR) e também com o apoiador que foi essencial para que pudéssemos imprimir e trabalhar nesse folder, que foi a Internews. Foi um trabalho gratificante, porque enquanto profissionais indígenas, ficamos muito feliz quando conseguimos contribuir de alguma forma com as nossas comunidades e lideranças.

Fonte: Janderson Macuxi

A primeira região a receber os folders informativos na língua portuguesa e macuxi, foi da Raposa, Terra Indígena na Raposa Serra do Sol. Os exemplares foram entregues ao coordenador regional, Valério Macuxi.







Fonte: Ariene Susui

18 visualizações0 comentário</