• Vitória Moura

Indígenas repudiam visita de Bolsonaro à Raposa Serra do Sol: ‘invasão’

De acordo com líderes, expectativa é que o presidente visite a comunidade Flexal, em Uiramutã

Fonte: Roraima em Tempo




Bolsonaro deve fazer sobrevoo em terra indígena – Foto: Divulgação/CIR



Lideranças indígenas repudiaram a possível visita do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) às comunidades indígenas da Raposa Serra do Sol, ao Norte de Roraima. Bolsonaro cumpre agenda no estado hoje (26).


De acordo com os líderes, a expectativa é que o presidente visite a comunidade Flexal, em Uiramutã. Além disso, ele deve sobrevoar o Rio Cotingo, onde há projeto para a construção de uma hidrelétrica.


Ao Roraima em Tempo, o coordenador-geral do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Edinho Batista, disse que a principal preocupação é a saúde dos indígenas, já que Bolsonaro não se vacinou contra a Covid-19.


“Nosso repúdio é contra a ida sem organização. Consideramos isso uma invasão à terra indígena, colocando em risco a vida da população indígena e também do estado. Ele tem outras agendas importantes para fazer, como políticas públicas para Saúde e a destruição da Amazônia”, critica.

Na agenda oficial do presidente não constam informações sobre a programação no território indígena. A princípio, ele visitou um abrigo da Operação Acolhida, em Boa Vista, e vai participar de um culto na Assembleia de Deus.


Edinho disse ainda que as lideranças de Roraima que foram aos eventos em Brasília fazem uma carta ao Ministério Público Federal (MPF) para denunciar a visita sem as medidas contra o vírus.

“Nos sentimos ameaçados com essa presença nas comunidades que continuam na luta para se proteger. Ele não se vacinou. Assim, acaba alimentando que mais vidas sejam tiradas”, avaliou.

Mais cedo a reportagem mostrou que a Saúde Indígena de Roraima está sendo usada como justificativa da omissão do Governo Federal durante a pandemia.



Leia todos os detalhes

O relatório da CPI da Covid-19 cita o uso do Kit Covid, que não tem eficácia contra o vírus, a invasão de garimpeiros, que propagou a doença nas comunidades, e o desvio de vacinas contra a Covid-19.