Documentário 'A Última Floresta' sobre povo Yanomami vence principal premiação latina de cinema

O longa levou para casa o Prêmio Platino 2022 de melhor documentário


Fonte: Rede Brasil Atual


Evidenciando a luta e a resistência dos Yanomami para defender suas terras do garimpo ilegal e das invasões constantes que acontecem em seu território, o filme “A Última Floresta”, dirigido por Luiz Bolognesi, venceu o Prêmio Platino 2022 na categoria de melhor documentário. A premiação é dedicada aos melhores filmes e séries ibero-americanas.


Considerada como "Oscar Latino", o Prêmio Platino teve a sua 9ª edição em 2022 e a cerimônia ocorreu no dia 1º de maio em Madri, na Espanha, no IFEMA Palácio Municipal, e tem o intuito de reconhecer as melhores produções de 23 países.


O documentário teve ainda a contribuição de Davi Kopenawa, um dos líderes indígenas mais influentes na luta contra o garimpo ilegal e a invasão de terras indígenas Yanomami no estado de Roraima. A produção cinematográfica do filme contou com a atuação dos próprios indígenas.


"A Última Floresta", que está em cartaz na Netflix, vem sendo premiado e aclamado pela crítica desde o início de sua carreira no Festival de Berlim 2021, em que recebeu o concorrido Prêmio do Público.


O diretor do longa, Luiz Bolognesi, agradeceu o reconhecimento em suas redes sociais e pediu a retirada do garimpo ilegal da Terra Yanomami.


"Ganhamos o Oscar latino de Melhor Documentário! Viva o Cinema Yanomami. #foragarimpo Importante porque foi votado por centenas de artistas ibero-americanos, sendo menos de 5% de língua portuguesa. Fomos escolhidos entre grandes documentários espanhóis, mexicanos, argentinos, brasileiros e de toda América Latina. É a força e a beleza do povo Yanomami encantando o mundo. Viva o xamã e líder #davikopenawayanomami Obrigado povo Yanomami por nos permitir conviver e aprender com vocês. Obrigado equipe maravilhosa!".

Ainda durante a premiação, Caio Gullane - produtor de "A Última Floresta" - dedicou o prêmio aos indígenas Yanomami.


"Fizemos juntos com os Yanomami, com quem temos muito o que aprender. No Brasil por muitos anos, e ainda hoje, os Yanomami são ameaçados todos os dias pelo garimpo ilegal e pelos madeireiros, que exploram violentamente sua terra. Temos que parar com isso. Graças a todo o povo Yanomami e a Davi Kopenawa Yanomami, que é um grande líder de seu povo e também escreveu o roteiro do filme com Bolognesi, e também a Pedro Márquez (diretor de fotografia do filme), o filme é o que é", agradeceu o produtor.

30 visualizações0 comentário