• Amazoom

CRÍTICAS AMBIENTAIS EM FILMES DE ANIMAÇÃO

CINCO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE DEMONSTRAM O RESULTADO DE AÇÕES HUMANAS INCONSEQUENTES

Imagem Ilustrativa | Arte por Laura Lima

Por Laura Lima | Edição JB Fernandes


Amazônia em chamas, óleo no nordeste, poluição dos mares por plástico, desmatamento, agrotóxicos, extinção de espécies. Sendo um leitor, ouvinte, telespectador de jornal ou não, você já deve ter ouvido falar de alguns desses assuntos, certo?


A maioria, dos listados acima, tiveram ocorrência neste ano, porém, 2019 não é o único momento da história em que houve degradação ambiental, humanos provocam isso há décadas, principalmente, depois da revolução industrial. O motivo? dinheiro, poder, prestígio, “progresso humano”, e por aí vai, justificativas é o que não falta, razões para conter o ciclo também não.


É fato que esse foi um ano de muita discussão sobre vários assuntos e meio ambiente estava entre as pautas principais. Considerando que a realidade divulgada passou a ser questionada, apesar de muitas provas, preparamos uma lista de filmes de animação que retratam a muito tempo os resultados de uma ação humana inconsequente.


Obs.1: É claro que, você leitor, possui a total liberdade de vê-los apenas como filmes de entretenimento para crianças.


Obs.2: Essa matéria é apenas uma apresentação dos filmes e uma amostra da relação entre eles e a realidade. Combinemos, então, que a conclusão dos fatos fica a seu critério, certo?


5 filmes de animação que demonstram os resultados de ações humanas inconsequentes


1. Wall-e (2008)



Wall-e é um filme de animação lançado no Brasil em junho de 2008. A trama se passa em 2700, e acompanha o Wall-e, robô criado para limpar a sujeira deixada pelos humanos na terra, enquanto estes, habitam uma espaçonave chamada AXIOM.


No filme, o “adorável robozinho” vive solitário, único de sua linha de produção ainda em funcionamento, continua realizando a função para a qual foi criado. A princípio, a missão deveria ter durado apenas 5 anos, mas o planeta estava tão degradado, que AXIOM tornou-se morada da raça humana por 700 anos. E durante esse tempo, Wall-e acabou criando uma personalidade bastante curiosa, daí a amizade com uma barata, o gosto musical, a estante com utensílios diversos, etc.


Até que, um dia, chega no planeta uma espaçonave com robôs, tecnologicamente, mais avançados, cujo a missão é descobrir se a Terra está pronta para a vida humana. É nesse momento, que Wall-e conhece a Eve, que a princípio está apenas cumprindo sua função. Depois de um tempo seguindo-a, ele finalmente consegue ser notado ao salvá-la de uma tempestade de areia, e aproveita esse momento para mostrar-lhe sua coleção de utensílios diversos, chegando até o último objeto encontrado, uma muda de planta, que pôs dentro de uma bota. O sinal de vida que Eve foi criada para encontrar. Nesse momento ela automaticamente transporta o objeto para dentro de um compartimento em si, e desliga, acendendo apenas o sinal de alerta sobre o utensílio achado.


Para fins de conter spoilers a respeito do restante do filme, caso alguém ainda não tenha assistido, podemos dizer apenas que Wall-e tenta ao máximo mostrar as coisas do planeta para ela, com a intenção de fazê-la ter alguma reação. Até que uma espaçonave retorna a Terra para buscar Eve. Wall-e acaba indo junto. Somos apresentados a AXIOM e a nova realidade humana, daí em diante, ocorrem muitas coisas, ação, drama, amizade, romance, etc.


Um pequeno spoiler, Wall-e com sua lealdade e entendimento do que é correto, acaba mudando a até então “realidade dos humanos”.


O que a trama nos mostra?

De forma bem explícita, o filme, mostra o resultado de um consumo humano exacerbado, de uma produção de objetos exagerada, um planeta ambientalmente degradado, mostra o ponto em que toda essa necessidade de estar na moda, ser o primeiro a criar algo importante, essa disputa entre nações e pessoas por poder e prestígio, tornou seu próprio lar, insuficiente para a vida. Ou seja, humanos ficaram tão interessados em progresso, progresso, progresso, que além de destruir as outras espécies e o seu planeta, quase destruíram a si mesmos. E, no decorrer do filme, pode-se perceber que isso não parou. Humanos, apesar do espaço limitado, continuam consumindo e seguindo ‘modas’.


2. Lórax: em busca da trúfula perdida (2012)



É um filme de animação lançado em março de 2012, uma adaptação do livro The Lorax (1971), do autor americano Dr. Seuss. A trama tem como protagonista Ted, que é apaixonado por Audrey, ambos moram na cidade de Thneedville, um lugar muito bonito e organizado, mas que não possui árvores de verdade, apenas representações de plástico e ar vendido em garrafões.


Audrey tem o sonho de ver uma árvore de verdade, que na trama são as trúfulas, Ted, por ser apaixonado pela moça, decide que vai realizar o seu desejo. Mas quando ele sai da cidade percebe que o mundo lá fora não é como o esperado, tudo é escuro, degradado, e totalmente vazio de árvores e vida. Curioso que é, decide descobrir onde foram parar as trúfulas, é quando, acaba encontrando Umavez-ildo, um antigo empreendedor muito ganancioso, que lhe conta a história por trás de toda aquela destruição.


Para encurtar o monólogo, Umavez-ildo, foi o responsável pelo sumiço das trúfulas, ele derrubou uma árvore pra fazer seus Sneeds (roupas). Lórax que é o guardião da natureza o avisou para não derrubar as árvores, e, apesar de no início, ele ter tentado seguir o conselho, a ganância pelo dinheiro, fama e poder falou mais alto. Umavez-ildo, esqueceu que as coisas acabam, e desmatou todas as trúfulas, o que fez com que tudo e qualquer tipo de vida que ali havia, simplesmente evaporasse.


Mas a história não acaba por aí, acontecem mais coisas, porém, sem mais spoilers.


O que a trama nos mostra?

Umavez-ildo era um rapaz comum que queria fazer algo importante, um dia trombou em um lugar esplêndido foi apresentado as trúfulas, e ficou extasiado com a beleza e maciez destas, teve uma ideia brilhante, criou os Sneeds, um produto que poderia ser usado como camisa, cachecol ou qualquer outro tipo de peça. O rapaz criou seu negócio e estava indo muito bem, ganhava seu dinheiro e, bom, por um tempo a natureza estava em paz. Acontece que existe aquele velho ditado “quanto mais você tem, mais você quer”, e ele queria muito, muito mais, então sem se importar com as demais vidas da floresta, que um dia suas amigas tinham sido, e sem se importar com o seu próprio futuro, ele destruiu tudo aquilo que havia ao seu redor, tudo o que um dia achou esplêndido, até mesmo o seu negócio, porque afinal, como ele poderia ganhar dinheiro se não possuía mais a matéria necessária para a produção dos Sneeds?


3. Rio (2011)



Rio é um filme de animação lançado em abril de 2011. Conta a história do Blue, uma arara azul em extinção, que quando filhote foi raptado por caçadores e durante o trajeto foi perdido, sendo encontrado por Linda, humana, pela qual a partir de então é criado.


15 anos depois, um cientista carioca chamado Túlio, descobre a existência de Blue, e pede para que Linda, sua tutora, o leve para o Brasil, já que ele é o último macho da espécie, e Túlio tem em guarda a última fêmea, Jade. Se as araras reproduzissem, poderiam ter a chance de manter viva a espécie.


Só que a Jade foi criada por muito tempo na selva, o que a torna muito desconfiada em relação aos humanos, e ela decide fugir. Blue, que foi criado por Linda, nunca aprendeu a voar. Para resumir o desenrolar da história, eles acabam sendo capturados por contrabandistas, e o fato de o Blue não saber voar, dificulta muito a fuga dos dois. Mas essa história tem muitas outras coisas. Nada de spoilers por aqui.


O que a trama nos mostra?

Blue foi criado por uma humana, em um lugar totalmente diferente do seu habitat natural e, nunca aprendeu a voar, porque antes que tivesse essa chance, foi capturado por caçadores, sendo separado de sua família. Decerto que apesar disso, ele teve um tanto de sorte por encontrar alguém capaz de adotá-lo como um filho e melhor amigo, mas ser tirado de seu habitat, limitou o mundo da arará de inúmeras formas.


Considera-se também que Blue é apenas uma representação de sua espécie, que na trama está em extinção, isso, porque foram caçadas, contrabandeadas, mortas, torturadas, feitas de material para experimentos, etc. Digamos que sua sorte de encontrar um lar é única, o destinos dos demais pássaros costuma ser bem diferente.


4. Happy Feet: O Pinguim (2006)



Happy Feet é um filme de animação lançado em novembro de 2006. Conta a história de Mano, um pinguim da espécie Imperador, conhecida pela sua mais importante característica, a cantoria, utilizada na época do acasalamento. Acontece que Mano, diferente dos demais pinguins de sua espécie, não nasceu com esse dom, sua arte é o sapateado.


Por ser diferente dos outros pinguins, Mano é expulso do bando e taxado como causador da falta de peixes, pois, segundo o líder dos pinguins, o fato dele ser diferente, traz má sorte para eles.

Mesmo tendo sido expulso, e sabendo que não tem nenhuma culpa sobre isso, Mano decidi ir atrás de respostas para o sumiço dos peixes. Para resumir, a culpa é dos humanos, e isso é tudo o que diremos, tem muita coisa nessa trama que precisa ser assistida. Nada de spoilers por aqui.


O que a trama nos mostra?

Além do fato de que devemos aceitar as diferenças dos outros, porque não existe nada de errado em ser você mesmo. O filme nos mostra que o consumo humano pode ser prejudicial para as outras espécies também. No caso do filme, a pesca sem controle acaba deixando os pinguins sem comida, causa uma escassez de peixes na região onde eles vivem.


Também é mostrado através de um personagem, uma das consequências da poluição dos mares. Sabe-se que anualmente, acabam no mar toneladas de plásticos, devido as chuvas nas cidades ou a perda de cargas dos navios. Esses plásticos poluem habitats naturais, ilhas, viram comida de animais marinhos, que morrem infectados ou asfixiados por eles. No caso do personagem, ele acaba ficando com um colar de plástico preso no pescoço, o que o deixa com a voz rouca e em determinado trecho do filme, com falta de ar.


Outro ponto, é a exibição de espécies como objeto. No caso de Mano, enquanto ele procura saber a razão do sumiço dos peixes, acaba indo parar em um aquário ou zoológico, que é uma forma cruel, menos violenta, mas psicologicamente torturante para os animais, que são tirados de seu habitat natural onde são livres, para viver enjaulados como prisioneiros, e expostos como presentes de natal.

5. Bee Movie: a história de uma abelha



Bee Movie é um filme de animação lançado em dezembro de 2007. Conta a história de Barry B., uma abelha que acaba de se formar e precisa decidir qual das funções gostaria de seguir, acontece que seu único interesse é o de “Ás do Pólen”, justamente a função que ele não pode exercer por conta de sua estatura.


De algum modo, ele consegue acompanhar um dia de trabalho dos ases e sai pela primeira vez da colmeia, vendo o tão curioso mundo dos humanos. Acontece que ele acaba se perdendo do grupo e é salvo por uma humana chamada Vanessa, com quem quebra a regra das abelhas de não falar com humanos. Eles acabam virando amigos e o Barry descobre que as abelhas têm seu mel roubado pelos humanos.


Daí em diante acontecem várias coisas, inclusive a luta das abelhas pelos seus direitos. MAS nada de spoilers.


O que a trama nos mostra?

Apesar de a história se centrar em Barry que procura um rumo para a vida pós formatura. A história também mostra a exploração que as abelhas sofrem por parte dos humanos, e a importância destas. Quando decidem entrar em greve e parar suas funções, é posto em pauta o quão necessário o trabalho delas é, não só para a colmeia, mas para a vida em si.


Filmes de animação x realidade

Os filmes, como dito anteriormente, podem sim, ser vistos apenas como entretenimento infantil, porque afinal foram criados para um público mais jovem. O fato é que a mensagem passada, apesar de simples, vale para todas as idades.


Wall-e mostra uma realidade onde o mundo tornou-se um lugar inóspito para todo e qualquer tipo de vida. A degradação resultante da má conduta humana foi tão intensa, que 700 anos tiveram de passar para que enfim, uma única, simples e frágil muda, conseguisse nascer no lugar.


Mas será que o cenário do filme pode vir a tornar-se realidade? Existe algum sinal, no atual momento, que demonstre a possibilidade de um futuro parecido com este?


No filme Lórax: em busca da trúfula perdida, vemos uma grandiosa e bela floresta tornar-se cinzas em poucos quadros, devido a necessidade de sucesso do personagem. No mundo, vemos grandes áreas desmatadas para pasto, utilização de madeira, ou até mesmo construção de novas moradias. Segundo dados do INPE, no mês de setembro, houve um aumento de 96% em áreas desmatadas, em relação ao mesmo mês no ano anterior. Segundo pesquisas, o aquecimento global pode inviabilizar a vida na Terra em poucos anos, e o desmatamento das árvores é um dos provocadores desse fenômeno.


No filme Rio, conhecemos uma raça em extinção, as araras azuis, cujo a espécie corre perigo exatamente como o filme demonstra. Cárcere de animais, contrabando, separação de famílias, e etc. O fato é que as araras são apenas uma das mais de 28 mil espécies de fauna e flora que corre o risco de extinção.


No filme Happy Feet, apesar de não ser o foco, descobrimos as consequências de um consumo exacerbado, escassez de peixe, e as consequências da poluição marítima pelos plásticos. Segundo o jornal O Globo, são despejadas nos oceanos, anualmente, cerca de 10 milhões de toneladas de plástico.


Bee movie, diferente dos demais filmes, não é sobre um desatre, mas acaba mostrando a importância das abelhas para a vida e o quão perigoso é deixá-las entrar em extinção. Segundo o site APública (Agência de Jornalismo investigativo Pública), no ano passado mais de 500 milhões de abelhas morreram devido aos pesticidas utilizados por humanos, o que deixou os apicultores bastante preocupados com a aprovação de novos agrotóxicos.


Mas voltando a questão anterior, existe a possibilidade do nosso planeta acabar igual ao retratado em Wall-e? E se existe, ainda é possível reverter esse resultado? Por que afinal, sabemos que a espaçonave Axiom, não será uma opção para a maioria da população, certo?


Dicas de como ser mais sustentável é o que não falta na internet, provavelmente não serão o bastante, mas já é alguma coisa se os humanos as seguirem. Pode ser que parte das catástrofes visualizadas para o futuro não aconteçam, fato que só será possível se fizermos algo a respeito, sem esperar apenas por ações políticas, afinal, eles não são os únicos culpados pelo cenário atual, apesar de terem o poder de mudar muita coisa ruim no mundo, caso trabalhem para isso. Mas, quem jogou lixo na rua? Quem tacou fogo no lixo no quintal? Quem jogou fora kilos de comida? Quem passou um tempão com a torneira ligada sem necessidade?


Existem muitas ações simples e cotidianas que podem ser reavaliadas, cujo a mudança trará uma grande diferença no cenário, só que não adianta um ou dois tomarem a atitude, isso é um dever de todos.


Claro que as ações dependem das crenças de cada um, e das conclusões tiradas em relação a tudo o que foi falado. Considerando isso, trouxemos no quadro abaixo, algumas opiniões a respeito dos filmes citados.



Para fins de reflexão, deixamos aqui esse antigo pensamento indígena:

"Quando a última árvore cair derrubada, quando o último peixe for pescado, só então nos daremos conta de que dinheiro é coisa que não se come".

#CríticasAmbientais #Walle #TheLorax #RioOFilme #HappyFeetOPinguim #BeeMovie

24 visualizações
AMAZOOM
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon

O Amazoom é uma rede de comunicação, pesquisa e promoção da cultura localizado no estado de Roraima

www.redeamazoom.org orgulhosamente criado por Bryan Chrsytian Araújo. 2017