Novo decreto da Prefeitura flexibiliza medidas de combate à Covid-19

Por: Luísa Stela e Júlio Sansão A Prefeitura de Boa Vista (PMBV) publicou nesta quarta-feira (10) o decreto 30/E com flexibilizações nas medidas restritivas a respeito do funcionamento do comércio e serviços gerais na capital. Anteriormente ao decreto 30/E, o prefeito Arthur Henrique havia iniciado medidas de prevenção ao proibir o funcionamento de algumas atividades comerciais, de serviço e lazer no sábado (6) e no domingo (7). Confira imagens de grandes avenidas durante estes dias: Com o atual decreto, a PMBV ampliou o horário de funcionamento dos supermercados, que a partir de quinta-feira (11) poderão abrir de 7h às 21h e com lotação máxima de até 50% da capacidade total. Serviços de delivery e drive-thru para produtos de higiene, medicamentos, gás de cozinha e alimentos podem funcionar após este período. Alguns outros serviços essenciais como postos de combustíveis estão sem restrições de horário porém com restrições de serviços; o posto por exemplo deve ser utilizado exclusivamente para o abastecimento de veículos. As aulas presenciais das escolas municipais continuam suspensas, porém escolas particulares podem abrir caso atendam às recomendações do decreto 132/E publicado em novembro de 2020. Celebrações religiosas estão permitidas com restrição de horário, das 7h às 21h, e com 30% de sua capacidade total. Shopping centers estão liberados durante o período das 10h às 21h e restaurantes, bares e pubs poderão vender bebidas alcoólicas no local até 21h. Todos os estabelecimentos comerciais devem fixar a capacidade de pessoas e continuar seguindo todas as medidas de segurança das instruções normativas da Vigilância Sanitária. “É importante que as pessoas entendam o contexto. É uma análise diária que fazemos dos números. Esses números mudam muito rápido, então a prefeitura precisa ter muita agilidade na tomada de decisão. Às vezes, precisamos tomar decisões em um curto espaço de tempo, às vezes temos um tempo maior, mas quero deixar claro que nossa equipe de saúde está analisando esses números, acompanhando a situação para garantir a saúde e a vida das pessoas de Boa Vista”, afirmou o prefeito após publicação do novo decreto. Confira outras mudanças do Decreto 30/E: As decisões de combate à Covid-19 tomadas pela Prefeitura de Boa Vista estão gerando opiniões diversas na população da capital. Flávia, que é recepcionista da Neuroscan e convive diariamente com a realidade da área da saúde, por exemplo, afirmou em entrevista que medidas flexibilizadas não funcionam, pois as pessoas não respeitam as instruções da Organização Mundial da Saúde (OMS). “As pessoas não respeitam, continuam lotando supermercados e achando que Covid é apenas um resfriado. Por mim, o decreto deve ser mais rígido”, afirmou. A empresária, Yara Caetano, concorda que devido a gravidade da situação, os decretos deveriam ter mais rigidez, como o primeiro anunciado pela ex-prefeita Teresa Surita em março de 2020. Yara afirma que durante o primeiro decreto fechou a sua ótica por 4 meses devido às restrições, mas conseguiu ainda assim manter o seu empreendimento por meio de delivery. “Vi muitas óticas grandes desrespeitando o decreto mas não queria ligar esta conduta à minha marca. Fechei por 4 meses e consegui alavancar a ótica apenas por delivery pois as pessoas estavam buscando mais esta modalidade devido às restrições promovidas pela prefeitura. Com o decreto atual ninguém evita de ir ao local físico, apenas reduziu o nosso horário de vendas!”, disse Yara. A fim de ajudar no combate ao Covid-19 no município, a prefeitura de Boa Vista pede o apoio da população para evitar sair de casa e respeitar as medidas restritivas. “Quero pedir à população que tenha consciência de entender que não é só nos estabelecimentos comerciais que tem o problema. Então evitem sair de casa. Não é o momento de sair de casa, de visitar os amigos, familiares, é o momento de estarmos com a nossa família dentro de casa, garantindo a segurança não só da nossa família, mas de todas as pessoas que estão sendo afetadas por essa pandemia”. Covid-19: Contaminação e Prevenção No início da pandemia a melhor e única forma para combater o vírus, consistia na aplicação de estratégias conhecidas como Intervenções Não Farmacológicas (INF). Elas são utilizadas quando não há medicamento, vacina ou tratamento para combater um surto, epidemia ou pandemia e têm como objetivo limitar a movimentação interna das pessoas e diminuir a transmissão do vírus. Após um ano de pandemia, cientistas detectaram uma nova variante, P1, potencialmente mais infecciosa do coronavírus na cidade de Manaus. Devido ao descumprimento das medidas restritivas, essa variante espalhou-se rapidamente e é responsável por mais de 50% de novos casos na maioria dos estados do país, com exceção de Minas Gerais e Alagoas. Diante do cenário de aumento dos casos associados à nova variante do vírus, muitas administrações municipais estabeleceram decretos que adotam medidas restritivas. Isso significa que alguns estabelecimentos e serviços continuam funcionando com algumas restrições, enquanto outros são fechados completamente. Contudo, tais medidas não apresentaram êxito da forma como foram aplicadas. A eficácia destas ações depende de uma série de fatores como o suporte governamental a fim de fornecer condições para a população não precisar sair de casa. Existem diversos estudos que demonstram o quanto cada medida restritiva é capaz de reduzir a taxa de transmissão do vírus. E uma das formas mais eficazes nesta contenção é o lockdown. O lockdown é uma determinação de emergência que adota o bloqueio total com o objetivo de diminuir o contágio da doença. Trata-se de uma medida extrema, mas de efetividade científica comprovada. Entretanto, a implementação não funciona de maneira isolada. É preciso seguir rigorosamente as recomendações de proteção da OMS. As ações individuais têm papel fundamental no controle dos casos, portanto confira como você pode contribuir:

Novo decreto da Prefeitura flexibiliza medidas de combate à Covid-19