• Amazoom

Loucura e saúde mental: Uma análise psicológica do personagem Coringa

Atualizado: Mar 25


Por Glenda Dinelly*

Arte: Glenda Dinelly

Uma análise psicológica sem (tem sim, alguns) spoilers

Escrever sobre o Coringa é como emprestar do cinema uma licença quase que poética para abordar assuntos polêmicos. Sanidade mental, loucura, psicopatia, individualismo, etc. O Coringa é aquele tipo de personagem que passeia por alguns universos para além do próprio mundo DC Comics. Universos que colidem com a nossa própria realidade. Ora aumentada, ora diminuída.


Falar sobre um personagem tão específico (utilizando o melhor dos adjetivos) é falar sobre o mundo que vivemos, sobre nós mesmos, em alguma proporção, individual ou coletivamente.


Dia 03 de outubro de 2019 entrou em cartaz o filme do Coringa, o Joker, que já alcança números astronômicos de bilheteria. Quem assistiu o longa pode relatar um pouco sobre o que viu. Todo cuidado aqui é pouco, sem muitos spoilers, além daqueles que você certamente já sabe.



A História do Joker - Curiosidades


O Joker nasceu oficialmente em abril 1940, na HQ #01 do Batman. Alguns creditam a sua criação a uma inspiração trazida dos cinemas, no filme o Homem que Ri de 1928. Se fosse um ser real, o Coringa teria 79 anos.


São considerados seus criadores Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane, mesmo que não haja consenso entre eles sobre quem de fato “deu à luz” ao vilão mais risonho dos quadrinhos. Além

de Coringa, ele é chamado de Joker, Príncipe Palhaço do Crime ou Bobo da Corte do Genocídio. Nomes bastante sugestivos para um vilão que se veste de palhaço.


1. O coringa é um vilão fora do normal, sim, muito.

2. Ele ama o Batman, e não vive sem ele. (Ele nunca quis matá-lo, de fato)

3. O filme Joker (2019) conta a história do Coringa bem diferente do que conhecemos até agora



Transformações ao longo dos anos


Ao longo dos anos, o personagem teve seu caráter e personalidade em constante transformação. Se inicialmente era retratado como psicopata, sádico e doentio, com o passar o tempo tornou-se mais um ladrão pateta que adorava fazer brincadeiras.


Em 1940, o Coringa era um ladrão de joalherias que assassinava sem pena suas vítimas. Foi a partir de 1960 que o personagem teve parte de sua personalidade alterada para um tom mais aprazível, devido a uma certa censura da Comics Magazine Association of America (Associação Americana de Revistas em Quadrinhos), instituição criada em 1950 com forte caráter moralista.

Em 1973, o Joker transformou-se mais uma vez, passando a ter características mais homicidas e com forte obsessão no Batman. Pode-se dizer que o Coringa se tornou o maior inimigo do Cavaleiro das Trevas.

Entre as histórias que contam a sua origem, a mais conhecida é de a de 1951, reproduzida na Detetive Comics #168, na qual o personagem em uma tentativa de fuga se joga em um tanque com produtos químicos, que acabam por transformar toda a sua aparência.


Essa é a explicação mais aceitável para a pele branca, o cabelo verde, os lábios vermelhos como cerejas e a deformação característica em formato de constante sorriso no rosto. Dizem que o após sobreviver ao tanque, o Joker enlouquece por perceber todas as deformidades em seu corpo, tornando-se esse vilão doentio que conhecemos.


A imprevisibilidade é outra característica marcante no Coringa, com atos anárquicos e psicopáticos cheios de crueldade e prazer em matar, além de causar dor e fazer piadas sobre isso.


Nas HQ’s e romances gráficos o Coringa é retratado com personalidades bastantes distintas às adaptadas aos cinemas. Entre as maiores maldades do Coringa, estão em invadir o lar da Família Gordon, balear e deixar Barbara Gordon paraplégica.


Ele já tentou vender uma ogiva nuclear a terroristas, já sequestrou e matou Jason Todd (o segundo Robin), após claro, espanca-lo com um pé de cabra. Além disso, ele já tentou matar diversos líderes mundiais que estavam presentes em uma assembleia geral da ONU. Em outro momento, ele também já envenenou Lois Lene com a finalidade de atingir o Superman.

Sem dúvida, o Coringa deixou de ser um mero personagem e ganhou mais corpo como o vilão que é.



Arte: Glenda Dinelly

Nos cinemas

1966Cesar Romero interpretou o vilão, com um tom mais humorístico e não-assassino, um Coringa bastante caricato.


1989 - Dirigido pelo aclamado Tim Burton, temos na interpretação de Jack Nicholson um Coringa muito violento, concedendo ao ator ótimas críticas. Hoje muitos considerando esse melhor Coringa de todos os tempos.


2006Heath Ledger se encarrega de interpretar um vilão mais sombrio e doentio. A interpretação rende frutos ao ator, como um Oscar de melhor ator coadjuvante, um Globo de Ouro, prêmios que só foram entregues após a morte do ator, aos 28 anos.


2015- Dessa vez temos um Coringa que pouco aparece, interpretado por Jered Leto, no filme Esquadrão Suicida, Joe, como é chamado no filme, tem poucas cenas, porém chama bastante atenção pela criatividade, imprevisibilidade e tatuagens. Apesar de agradar pouco os críticos, Leto conseguiu introduzir um vilão interessante.


2019- Joker, interpretado por Joaquin Phoenix, tem recebido críticas positivas até agora, além das salas de cinema lotadas. O filme é ambientado nos anos 1980.


Escutamos algumas pessoas que viram o filme, que por sinal, está em cartaz. Samantha Rufino, Mariana Turco e Matheus Morais são alunos da Universidade Federal de Roraima. Confira: