'Cadê os Yanomami': lideranças cobram investigação sobre desaparecimento de comunidade indígena

Mobilização feita nas redes sociais também pedem esclarecimento sobre a criança Yanomami violentada.



Fonte: Reprodução/Redes Sociais


Lideranças indígenas, autoridades, políticos, artistas e influencers digitais aderiram nessa quarta-feira (4) à campanha iniciada nas redes sociais “CADÊ OS YANOMAMI”. O movimento – que consiste em trazer à tona o questionamento por meio de hashtags – surgiu após a Polícia Federal ter encontrado a comunidade de Aracaçá, na Terra Indígena Yanomami, onde viviam 25 pessoas, vazia e queimada.


A comunidade é a mesma em que, de acordo com denuncia das lideranças indígenas no dia 25 de abril, uma menina Yamomami de 12 anos foi sequestrada, estuprada e morta por garimpeiros que exploram ilegalmente a região. Além disso, durante o ataque um bebê de 3 anos de idade caiu no Rio Uraricoera e continua desaparecido.


O caso ganhou repercussão nacional onde milhares de pessoas demonstraram apoio, entre elas algumas lideranças do movimento indígena como Sônia Guajajara, Joênia Wapichana e Glycya Makuxi.







Algumas lideranças foram contatadas pelo Conselho Distrital de Saúde Yanomami e Ye’kwana (CONDISI-YY) a respeito da aldeia que havia sido queimada, os líderes relataram que faz parte da tradição Yanomami queimar o lugar onde um dos membros da comunidade morreu e em seguida partir dali.


A Polícia Federal segue em diligencias para investigar o caso.

27 visualizações0 comentário