Curso de Letras da UFRR promove evento para discutir a literatura no estado

April 11, 2018

Evento segue até o dia 20 de junho. Primeiro encontro debateu sobre o feminino na literatura.

 

A Universidade Federal de Roraima (UFRR) sedia a partir deste mês um série de encontros para discutir sobre a literatura no estado. Ao todo serão realizadas 12 mesas redondas durante todas as quartas-feiras de março a junho com o objetivo incentivar produção literária e fortalecer a cultura local.

 

A primeira edição do evento realizada pelos cursos de graduação e pós-graduação em Letras, da própria instituição, tem como tema: “Literatura em Roraima: Diálogo e leituras”.

 

De acordo com o coordenador do Programa de Pós-graduação em Letras (PPGL) Roberto Mibielli, o evento pretende reunir o maior número possível de escritores e poetas para debater sobre o tema.

 

“A ideia é expor a cultura de Roraima e torná-la mais crítica, porque uma das coisas que a gente observa é que existe pouco espaço para difusão e discussão da literatura. O que é um problema, imagina uma sociedade que não reconhece a própria produção literária, é um absurdo", disse.

 

O feminino na literatura

 

 

O primeiro dos 12 encontros ocorreu na quarta-feira (4) com o tema: "O feminino na literatura”, no auditório do Programa de Pós-graduação em Recursos Naturais (Pronat). A mesa contou com a participação das poetisas Ágda Santos, Eli Macuxi, Isabela Coutinho e Sony Ferseck.

 

Durante a discussão elas criticaram o tema falaram sobre a baixa visibilidade mulher ao longo do evento, tendo em vista que apenas a primeira mesa-redonda abordava sobre o feminino.

 

“Se a gente for colocar isso num contexto onde há 12 meses e apenas uma discute o feminino e nenhuma outra discute o masculino na poesia, isso poderia dar a entender de que todas as outras mesas são masculinas. A minha tentativa de inversão é mostrar que a poesia em si é algo que traz uma energia feminina, comentou Eli Macuxi.

 

Ágda Santos, por sua disse que o incômodo maior ficou por conta da representação da mulher da poesia, principalmente da mulher negra.

 

“Minha poesia é muito carregada nesse ponto, na luta contra o preconceito e  também na representativa da mulher lésbica, então quando eu vejo a poesia feminino dentro a poesia ele é universal, fala sobre tudo”, declarou.

 

 

Já a linguista Isabela Coutinho defendeu a luta das mulheres indígenas pelos direitos dentro da sua sociedade.

 

“Ao mesmo tempo que a mulher vem ganhando espaço vem sendo feito uma campanha pelo cerceamento da voz feminina, ou seja, quando há espaço, há um boicote. Nosso papel nesse evento é fazer com que as pessoas parem de olhar e questionar e entenda que o nosso lugar é onde a gente quiser”.

 

Assim como as colegas, Sony Ferseck falou sobre liberdade do corpo da mulher, a desromantização da poesia e expôs dados alarmantes sobre o feminicídio no estado.

 

“Por conta da imagem que se tem de que a mulher não pode dispor do próprio corpo ela é considerada inferior por causa disso, morta e violentada. Minha tentativa de desromantização da poesia, não é apenas estética, é também social e política. É dá voz às mulheres”, alegou.

 

Ao fim do evento Ferseck avaliou o evento como de extrema importância e solicitou que o debate fosse ampliado para além da comunidade. acadêmica. No total, 97 pessoas participaram do encontro entre professores, alunos, poetas, críticos e escritores.


A próxima mesa-redonda ocorre no dia 10 de abril e tratará sobre a temática local como participação Eliakin Rufino, Neuber Uchôa e Zeca Preto, fundadores do movimento Roraimeira na década de 1980, além da participação de George Farias. Os interessado ainda pode se inscrever na página do evento de forma gratuita.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

AMAZOOM
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon

O Amazoom é uma rede de comunicação, pesquisa e promoção da cultura localizado no estado de Roraima

www.redeamazoom.org orgulhosamente criado por Bryan Chrsytian Araújo. 2017