• Rede Amazoom

ONGs, ativistas indígenas, universidades e imprensa nacional repercutem invasão de aula do PPGCOM

No dia 30 de setembro aula ministrada por Dário Kopenawa foi invadida por grupo bolsonarista

Fonte: Divulgação

Organizações não governamentais (ONGs), ativistas indígenas, universidades e a imprensa nacional repercutiram nessa semana a invasão da aula pública ministrada pelo vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami, Dário Kopenawa, por um grupo bolsonarista.


No dia 30 de setembro, Dário Kopenawa falava sobre o Movimento Indígena para os alunos do Mestrado em Comunicação da Universidade Federal de Roraima (UFRR) quando a aula foi invadida por um grupo de seis perfis.


Eles interromperam a fala de Dário e passaram a transmitir áudios e vídeos com músicas agresivas ofendendo mulheres, pessoas de esquerda e afirmando que "Pra votar Bolsonaro minha mão já está tremendo".


Depois da invasão, o professor da disciplina, Vilso Santi, registrou o caso na Polícia Federal. Além disso, nessa quarta-feira (6), uma notícia-crime reportando o caso foi registrada no Ministério Público Federal (MPF).


Repercussão


Nesta semana, o assunto foi compartilhado pelos perfis nas redes sociais da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), da Casa Ninja Amazônia e da ativista indígena Sonia Guajajara. A invasão também virou matéria no portal de notícias G1 Roraima.


No dia seguinte após a invasão, a diretoria da Compós publicou nota para manifestar solidariedade a Dário Kopenawa e ao professor Vilso Santi devido à invasão da aula.


Além disso, a nota repudiou os ataques à liberdade de cátedra e de pesquisa e cobrou uma ação das autoridades competentes para que identifiquem os ataques e para que os responsáveis sejam punidos.


Na mesma semana, Luciana Panke, professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), manifestou solidariedade aos participantes da aula.


O pronunciamento da docente ocorreu na live de lançamento do e-book Eleições 2020: Análise da Propaganda Eleitoral nas Capitais Brasileiras, do Grupo de Pesquisa Comunicação Eleitoral.


Daniela Ota, docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), também se solidarizou publicamente durante o Intercom Nacional, nessa quinta-feira (07).


A Adua (Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas) também se manifestou sobre o assunto.


Silêncio da UFRR


Apesar de repercutido nacionalmente, a Universidade Federal de Roraima (UFRR) ainda não se solidarizou publicamente sobre a invasão ou adotou alguma medida para prevenir novos casos como esse.

8 visualizações0 comentário