• Amazoom

Manifesto de povos da Amazônia defende desmercantilização da floresta

Carta com críticas à COP27 defende que financiamento internacional contra desmatamento deve estar subordinado a políticas públicas soberanas.

Povos do campo e da floresta fazem contraponto a "soluções de mercado" para a Amazônia - Foto: Mídia Ninja.

Uma carta assinada por 17 organizações populares do campo, de indígenas e quilombolas divulgada nesta segunda-feira (14/11) criticou a ofensiva dos mercados mundiais na participação de soluções para mudanças climáticas. O documento questiona a preponderância do setor privado nas discussões da COP27 e defende que as medidas de combate ao desmatamento respeitem a soberania nacional dos países da Amazônia, sem aprofundar as desigualdades sociais.


O texto enfatiza que "as florestas devem permanecer fora dos mecanismos de mercado" e prega que acordos com impacto às vidas dos povos da floresta sejam "objetos de políticas públicas e sistemas de governança", de forma transparente e democrática.


"Representamos vozes da sociedade civil brasileira que discordam da visão que aposta na centralidade dos mercados de carbono e naturaliza a narrativa de que o setor privado seria o parceiro chave e com papel preponderante no financiamento, na implementação das ações climáticas e na transição de modelo econômico para uma economia 'mais verde'", diz trecho do documento, disponível na íntegra abaixo.


Povos do campo e da floresta


Pelos indígenas, assinam a carta a Coordenação dos Povos Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) e a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).


No documento, a população quilombola está representada pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ).


O conteúdo é endossado pelo Movimento dos Sem Terra (MST), Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Grupo Carta de Belém.


Fonte: Murilo Pajolla. Brasil de Fato.



Leia o documento na íntegra


Juntos para ação climática: com quem e para quê?


O lema da COP 27, em Sharm el Sheik, no Egito, é “juntos para implementação” (#together for implementation). Como primeira COP focada na “implementação”, assistimos a uma cacofonia de vozes e propostas que competem para vender oportunidades de negócios, tecnologia, financiamento (e endividamento) para alcançar a descarbonização, a neutralidade climática e um lugar no futuro net-zero (emissões líquidas zero).


Diante desta grande “feira do clima” e considerando aquilo que o termo “ações climáticas” vem apontando na prática, nós, organizações e movimentos da sociedade civil brasileira, entendemos que é fundamental perguntar: juntos com quem e para quê?


O centro das nossas preocupações é em particular a ofensiva dos mercados para participar de ações de mitigação vinculadas à terra, às florestas e a promoção de pretensas Soluções baseadas na Natureza (NbS), uma vez que ações climáticas neste setor vêm se configurando como uma grande oportunidade de investimentos – e portanto, de lucros e de especulação, inclusive financeira – o que não pode ser igualado à verdadeira sustentabilidade e a transição justa que o mundo precisa.


Reafirmamos aqui nossa posição de que as florestas devem permanecer fora dos mecanismos de mercado. As florestas são o espaço de enorme biodiversidade e de muitos povos indígenas, comunidades tradicionais, quilombolas, agricultores familiares que buscam convivência digna e sustentável com seus ecossistemas, devem ser objetos de políticas públicas e sistemas de governança, transparente e democrática.


Tem sido uma posição histórica de negociação do Estado brasileiro – tanto como de vários segmentos da sociedade civil do país reiterada ao longo dos anos – manter as florestas fora dos mercados de carbono. Temos enfrentado e resistido às inúmeras formulações que ao longo das negociações do clima vêm tentando subordinar florestas, terras, territórios e populações do Sul global às lógicas e aos mecanismos vinculados aos mercados e à especulação financeira – mesmo que em nome do clima.


Ao invés disso, defendemos que o financiamento climático internacional para florestas e para combater o desmatamento sejam subordinados a políticas públicas estruturantes e fontes de financiamento no marco do orçamento público, da institucionalidade, da governança pública brasileira e da soberania – seguindo o estabelecido no Art. 5 do Acordo de Paris e o Marco de Varsóvia para REDD (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal), que prevê pagamentos por resultados efetivos para a conservação e recuperação de áreas de florestas. Defendemos ainda que as doações internacionais relacionadas a estes resultados devem ser desvinculadas do teto de gastos do orçamento.


Esta COP é a primeira após a conclusão do Livro de Regras do Acordo de Paris, finalizado em Glasgow, em novembro de 2021, no qual ficou sacramentada a centralidade do Art. 6, que trata da transferência internacional de resultados de mitigação e para a operacionalização de mercados de carbono na execução dos objetivos do Acordo – ou de como, afinal, os resultados de mitigação serão creditados e computados na planilha global da conta climática. O item 6.4 do Artigo trata especificamente do mercado de carbono no âmbito da UNFCCC, sob a formato do “mecanismo de desenvolvimento sustentável”.


As atuais negociações técnicas sobre o Art. 6.4 avançam rapidamente, haja visto o interesse de certos atores de operacionalizar este acesso aos atores do setor privado e financeiro – em detrimento da responsabilidade dos Estados dos países desenvolvidos - e vem sendo promovido como principal via para financiamento e aposta para a mitigação.


Representamos vozes da sociedade civil brasileira que discordam da visão que aposta na centralidade dos mercados de carbono e naturaliza a narrativa de que o setor privado seria o parceiro chave e com papel preponderante no financiamento, na implementação das açõesclimáticas e na transição de modelo econômico para uma economia ´mais verde´.


Ao invés disso, defendemos que os países desenvolvidos e maiores responsáveis históricos pelas emissões causadoras do aquecimento global precisam cumprir com os compromissos assumidos relativos às metas de financiamento e devem disponibilizar os recursos de pagamento por resultados, assim como levar a sério a agenda de perdas e danos.


A ação climática não pode servir ao aprofundamento das injustiças ou à promoção do racismo ambiental e da dívida climática. É necessário produzir uma ação climática que seja capaz de reparar os efeitos atualizados da colonialidade, e oferecer soluções de reconstrução contra os efeitos climáticos extremos, sem transferir para povos indígenas e quilombolas, comunidades tradicionais e rurais, o peso de combater as mudanças climáticas, enquanto corporações globais, inclusive produtoras de combustíveis fósseis, se desresponsabilizam pela poluição que as suas atividades econômicas provocaram, historicamente, ao contabilizar carbono florestal nos seus balanços de sustentabilidade.

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB)

Coordenação dos Povos Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB)

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ)

Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG)

Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Coalizão Negra por Direitos

Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental (FMCJS)

Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais (FBOMS)

Grupo Carta de Belém (GCB)

Memorial Chico Mendes

Movimento dos Sem Terra (MST)

Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)

FASE

INESC

Instituto de Referência Negra Peregum

Terra de Direitos.

10 visualizações0 comentário