• liliguimaraes16

Documentário em realidade virtual 'Fazedores de Floresta' tem pré-lançamento na COP26

Realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA) e pela Rede de Sementes do Xingu, o filme apresenta a união entre povos indígenas, comunidades tradicionais, ambientalistas e produtores rurais por um objetivo comum: plantar as florestas do futuro.

Cartaz do filme Fazedores de Floresta, que terá pré-estreia na COP26

Unir ambientalistas, povos indígenas, comunidades locais e produtores rurais para recuperar florestas parece um sonho improvável, mas é uma das estratégias mais inovadoras e eficazes para a restauração das florestas brasileiras.


O filme “Fazedores de Floresta - Uma Aventura em Busca da Água” é uma imersão na experiência do Instituto Socioambiental (ISA) e da Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX), uma articulação entre pessoas que uniram conhecimentos para a restauração de áreas degradadas nas bacia dos rios Xingu e Araguaia, no Mato Grosso.


O pré-lançamento do filme se dará em dois momentos durante a COP26, conferência da ONU sobre mudanças climáticas que acontece de 31/10 a 12/11 em Glasgow, na Escócia. No Brazil Climate Action HUB, no dia 10/11, às 13h (horário local), e na People's Summit, no dia 8/11, às 18h30.


As exibições serão acompanhadas de debates com a presença de Paloma Costa, que integra o Grupo Consultivo para Jovens sobre Mudanças Climáticas, formado pelo secretário-geral da ONU e assessora do ISA, Beptuk Metuktire, jovem liderança do povo Kayapó, no Mato Grosso, e Ana Castro, Head de Impacto Social e Mobilização da Flow Impact, distribuidora do filme.


Além disso, o filme foi selecionado pelo governo britânico para ser exibido na Surround Vision, uma área de destaque na conferência dedicada à exibição de filmes de impacto social produzidos em Realidade Virtual. A curadoria junta produções de diversos países que mostram pessoas e organizações que encontraram soluções para conter a crise climática.

À esquerda, Milene Alves, narradora do filme, convida para uma imersão no trabalho de fazer novas florestas

Narrado por Milene Alves, uma das mais de 500 coletoras de sementes espalhadas pela região, o filme mostra de perto o funcionamento da Rede de Sementes do Xingu e de seus parceiros do ISA, que realizam os plantios e monitoram o crescimento das árvores. Já são quase 20 milhões delas.


Ao longo de nove minutos, o documentário apresenta, também, como grupos com interesses distintos conseguem dialogar e se unir para plantar as florestas do futuro.


“Não proteger as áreas de nascentes e de beiras de rio gera um risco não apenas para a floresta, mas também para a agropecuária. Ter a floresta de volta é bom pra todo mundo”, afirma Milene ao apresentar, durante o filme, o trabalho de restauração florestal.


Há mais de 14 anos, a rede vem unindo saberes de povos indígenas e comunidades tradicionais com tecnologia de ponta para trazer a biodiversidade e a água de volta para a região e movimentar a economia local, ajudando produtores rurais a restaurar áreas de nascentes e beira de rio.


A partir da coleta de sementes nativas, a rede movimenta uma cadeia socioeconômica que valoriza o conhecimento tradicional das comunidades, impulsiona o equilíbrio socioambiental e melhora o bem estar dos moradores da região.


Até 2020, cerca de 260 toneladas de sementes de mais de 220 espécies nativas foram coletadas, gerando uma renda de R$ 4,4 milhões para os coletores e suas comunidades.


Essa estratégia se torna ainda mais potente quando produtores rurais reconhecem que o conhecimento tradicional e a tecnologia atuam em seu favor, e ajudam a restaurar florestas que beneficiam suas lavouras, o equilíbrio climático regional e o regime de chuvas em todo o país.


A partir da articulação com diversos grupos, o Instituto Socioambiental (ISA) e a Rede Sementes do Xingu já restauraram 6,8 mil hectares de floresta nativa na região.


"Plantar florestas aproxima as pessoas. O ato de coletar sementes, misturar, fazer as muvucas e colocar na terra cria um vínculo fundamental com a vida. Em um contexto de emergência climática e pandemia, estamos falando de uma inspiração para um futuro melhor", afirma Rodrigo Junqueira, secretário-executivo do ISA.


“Fazedores de Floresta” é dirigido por Tadeu Jungle e uma produção da Junglebee, em parceria com o Instituto Socioambiental (ISA) e a Associação Rede de Sementes do Xingu.


“Uma experiência em realidade virtual proporciona uma imersão potente nas ideias que nos ajudam a transformar a nossa realidade. É uma forma de vivenciar esse dia a dia e levar as soluções encontradas pelos Fazedores de Floresta para todas as pessoas”, afirma Tadeu Jungle. O filme tem lançamento nacional previsto para dezembro de 2021, em uma ação de distribuição e articulação liderada pela Flow Impact.


"Fazedores de Floresta" tem apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, PNUMA e da Década da ONU da Restauração de Ecossistemas. A Década tem como objetivo inspirar e apoiar governos, organizações multilaterais, sociedade civil, empresas do setor privado, jovens, grupos de mulheres, povos indígenas, agricultores, comunidades locais e indivíduos em todo o mundo, para colaborar, desenvolver e catalisar iniciativas de restauração em todo o mundo.


A produção do filme contou com apoio de União Europeia, Good Energies, Rainforest Foundation Norway, Amazonia Live/Rock in Rio, Funbio e Conservação Internacional (CI).


Sobre a Junglebee

A Junglebee é uma produtora de Realidade Aumentada e Realidade Virtual. Desenvolve histórias imersivas e cria soluções para os novos desafios da comunicação para empresas, instituições culturais e ONGs.