• nandajvasconcelos

A equipe Arbocontrol da estação Pará - Cametá, divulga oficinais realizadas pelo projeto.

As oficinas tem como objetivo levar conhecimento a respeito das arboviroses para comunidades ribeirinhas e quilombolas.


Foto: Projeto Arbocontrol


A equipe Arbocontrol da estação Pará – Cametá no dia 24 de julho de 2021 realizou sua primeira oficina intitulada “Formas de contágio e sintomas das Arboviroses Dengue, Zika e Chikungunya” com 19 representantes, professores e lideranças de comunidades quilombolas, indígenas e ribeirinhas da Amazônia Tocantina das localidades de São José de Icatu, Bailique Centro, Tomásia, Igarapé Preto, Umarizal, Assurini do Trocará e Ilha do Xingu.


A oficina no formato online teve como objetivo apresentar o projeto Arbocontrol, equipe nacional, regional e especialmente a local envolvida, bem como as formas de contagio e sintomas das Arboviroses Dengue, Zika e Chikungunya, utilizando de vídeos e logo em seguida de uma roda de com versas de troca de experiencias alternando saberes e vivências de e sobre as arboviroses nas comunidades e povos ali presente. O evento contou com o relato de experiência no combate as doenças de duas enfermeiras da rede pública de saúde – SUS de Cametá, Nádia da Costa e Marcia Valente.


No mês de setembro ocorreu a segunda oficina organizada pelo grupo, que teve como temática “Saberes e Práticas no Tratamento das Arboviroses”, uma proposta sugerida pelas lideranças desde o início do projeto. Participaram desse evento 20 ouvintes, sendo estes, estas do grupo MARI de mulheres que trabalham com remédios caseiros na comunidade quilombola de Umarizal, indígenas da educação e da saúde da Comunidade Indígena Assurini do Trocará, das comunidades quilombolas de Bailique Centro, Tomásia, Arequembaua e Igarapé Preto, da comunidade ribeirinha do Pacuí de Baixo e lideranças de outras localidades como da cidade de Abaetetuba e do estado do Amapá.


O evento foi um grande momento de troca de saberes tradicionais, que ocorreu no formato online e em roda de conversa, oportunizando um ir e vir de memórias e experiencias vivenciadas nas comunidades e suas relações com o tratamento dos sintomas das arboviroses, as formas de organização para o combate da doença e a realidade vivida em cada territorialidade. Com esta oficina / roda de conversa foi possível identificar as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) que são utilizadas como recursos terapêuticos que buscam a prevenção de doenças e a recuperação da saúde, a integração dos sujeitos com o meio ambiente e a sociedades que vivem, mantendo e reforçando laços de pertencimentos e identidade.


Os resultados dos diálogos estabelecidos nestas oficinas, rodas de conversa online, contatos diários com o grupo de lideranças das comunidades criados pela equipe Arbocntrol Norte – estação Pará Cametá, oportunizou a apresentação de trabalhos orais e publicação de resumos completos em eventos científico nacional o IV Colóquio da Linha de Pesquisa Culturas e Linguagens, do Programa de Pós-Graduação em Educação e Cultura – PPGEDUC da UFPA/Cametá e do aceite dos trabalhos para apresentação do projeto no ano de 2022 no , com o título “Arbocontrol Pará – Rede Norte: Educação, Saúde, Saberes tradicionais e Práticas de cura na/da Amazônia Tocantina”, que poderá ser acessado brevemente no link https://sites.google.com/view/anaisccl-ppgeduc


Importante destacarmos que o projeto desenvolvido pela equipe ArboControl Pará – Rede Norte é vinculado à rede de pesquisadores nacionais e internacionais vinculados ao projeto “ArboControl: Gestão da informação, educação e comunicação no controle das arboviroses dengue, zika e chikungunya”; em seu Componente 3 - Educação, Informação e Comunicação para o Controle do Vetor, coordenado pela professora Dra. Ana Valéria Machado Mendonça do Laboratório de Educação, Informação e Comunicação em Saúde, Departamento de Saúde Coletiva, e NESP, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, onde atuamos com educação, comunicação e saúde no que tange a interculturalidade tendo como foco os fatores culturais das comunidades.


Para obter outras informações sobre a equipe e o projeto acesse: https://arbocontrol.unb.br/


Fonte: ARBOCONTROL PARÁ / CAMETÁ

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo